top of page

Fisiologia e produtividade do milho.


Fonte: Freepik

A fisiologia vegetal desempenha um papel fundamental na compreensão e manejo da produtividade do milho. Essa cultura é altamente dependente da disponibilidade de água ao longo de seu ciclo de crescimento, sendo que a falta desse recurso pode ter impactos significativos em seu rendimento.


O milho é cultivado em regiões com uma ampla faixa de precipitação anual, variando de 300 a 5.000 mm. Durante o seu ciclo de desenvolvimento, uma lavoura de milho consome aproximadamente 600 mm de água. É importante ressaltar que o estresse hídrico, especialmente durante o florescimento, pode resultar em reduções expressivas na produtividade. Estudos demonstram que apenas dois dias de estresse hídrico nesse estágio podem levar a uma diminuição de mais de 20% no rendimento, enquanto períodos mais prolongados de quatro a oito dias podem resultar em reduções superiores a 50%.


A escassez de água afeta particularmente três estágios críticos do desenvolvimento do milho. O primeiro é a iniciação floral e o desenvolvimento da inflorescência, quando o número potencial de grãos é determinado. Durante essa fase, a presença adequada de água é essencial para garantir o estabelecimento adequado dos órgãos reprodutivos da planta.


O segundo estágio crítico é o período de fertilização, no qual ocorre a fixação do potencial de produção. A disponibilidade de água desempenha um papel crucial nessa etapa, pois influencia a viabilidade do grão de pólen, evitando sua desidratação, além de ser fundamental para o desenvolvimento e penetração do tubo polínico, resultando em uma fertilização adequada.


O terceiro estágio crítico é o enchimento de grãos, quando ocorre o aumento na deposição de matéria seca nos grãos. A água desempenha um papel importante nessa fase, pois está diretamente relacionada à fotossíntese. O déficit hídrico afeta a disponibilidade de dióxido de carbono (CO2) para a fotossíntese, limitando assim os processos de elongação celular e reduzindo a produção de carboidratos. Essa redução na produção de carboidratos resulta em menor acúmulo de matéria seca nos grãos, afetando diretamente o rendimento final da cultura.


Diante dessas informações, fica evidente a importância da água e do manejo adequado do estresse hídrico na fisiologia e produtividade do milho. Estratégias de manejo da irrigação, seleção de cultivares adaptadas à disponibilidade de água, práticas de conservação de solo e água, bem como o monitoramento constante das condições climáticas, são essenciais para garantir um ambiente favorável ao crescimento e desenvolvimento do milho, resultando em uma maior produtividade e qualidade dos grãos.

Bình luận


WhatsApp.svg.webp
bottom of page